Banha de porco ou óleo vegetal? Qual o mais saudável?

Escolher o óleo certo para cozinhar não é uma tarefa muito fácil. Existem dezenas de opções disponíveis e é complicado saber qual delas é a “mais saudável”. Atualmente, apesar de termos mais informações, elas muitas vezes se confundem, porque há muito debate sobre os benefícios e os danos que podem vir do consumo de diferentes tipos de gordura.

Banha de porco ou óleo vegetal

A diferença entre gordura e óleo vegetal pode geralmente ser descrita pela viscosidade à temperatura ambiente. As gorduras são sólidas e os óleos são líquidos. Outra coisa que pode ser determinada pela mesma medida é se a gordura é insaturada ou saturada, a qual geralmente é sólida.

As gorduras animais são obtidas a partir da carne de animais ou no caso da manteiga e do ghee, separadas da gordura do leite. E os óleos vegetais são mecânica e quimicamente extraídos de sementes como soja, milho, algodão, girassol, castanhas, cártamo, amendoim, etc.

Pode parecer óbvio que frituras feitas com óleo vegetal são mais saudáveis do que se fossem feitas com óleo animal, como banha ou manteiga. Mas será que é verdade?

 

Gordura X óleo vegetal

Banha de porco ou óleo vegetal

Quando estamos fritando ou cozinhando em uma alta temperatura (em torno de 180°C), as estruturas moleculares de gorduras e óleos mudam. Acontece o que chamamos de oxidação – elas reagem com o oxigênio do ar formando aldeídos e peróxidos de lipídio. Na temperatura ambiente, algo semelhante acontece, mas de maneira muito mais lenta. Quando lipídios se decompõem, eles se tornam oxidados.

As gorduras de origem animal, como a banha de porco e a manteiga, juntamente com o azeite de oliva e o óleo de coco, raramente passam pelo processo de oxidação. Isso acontece porque elas são ricas em ácidos graxos monoinsaturados e saturados, que são muito mais estáveis quando submetidos ao calor.

Com a crença de que gordura animal provocava a aterosclerose, popularmente chamada de “entupimento das artérias” iniciou-se uma fobia generalizada pelas gorduras e passamos a evitar alimentos como a banha de porco, a manteiga, laticínios integrais e a gema de ovo. E introduzimos a margarina e os óleos refinados de canola, soja, girassol, milho e etc.

Estudos comprovam que a introdução dos óleos vegetais na alimentação diária em substituição as gorduras animais, provocou o aumento de doenças cardiovasculares, obesidade e sobrepeso. Os óleos vegetais poli-insaturados são ricos em W6 que em desequilíbrio com o W3 (que está muito deficiente na alimentação da maioria da população) se torna altamente inflamatório.

 

Como utilizar a banha de porco

A banha animal, o óleo de coco e o azeite de oliva são ricos em gorduras monoinstauradas e por isso, são as melhores opções para cozinhar. Uma dica importante para quem for usar a banha de porco, é usar a panceta fresca e faze-la em casa ao invés de compra-la no supermercado.

Outra dica importante é evitar frituras, especialmente aquelas em temperaturas muito altas. Se você estiver fritando algo, tente usar o mínimo possível de óleo e tente remover todo o óleo do alimento após a fritura usando uma toalha de papel, por exemplo.

Para reduzir a produção de aldeídos, opte por um óleo ou gordura que sejam ricos em lipídios monoinsaturados ou saturados (preferencialmente 60% para um ou outro) e mais de 80% para os dois juntos e que sejam pobres em polinsaturados (menos de 20%).

O óleo ideal para fritar seja o azeite, porque tem 76% de lipídios monoinsaturados, 14% saturados e apenas 10% polinsaturados. E, nesse caso, o azeite não importa se é “extra virgem” ou não. Os níveis antioxidantes presentes em produtos do tipo são insuficientes para proteger contra a oxidação induzida pelo calor.

Dica da nutricionista Letícia Pimenta.


Share
Postado em 20 de fevereiro de 2017, por  
Tags:
Leia os comentários   |   Deixe um comentário


3 comentários Receba os comentários por email.


  1. alidri nó coloi

    gostei, muito obrigado pela boa informação.

    2 de março de 2017 @ 17:51


  2. fredericopretti

    Neuza, com certeza a gordura de porco e o azeite extravirgem melhoram muito o sabor da comida. Também concordo que todos os óleos hoje disponíveis nos supermercados são transgênicos e não são extraídos a frio. Por isso, não vejo nenhum problema com a sua escolha, mas seria mais saudável se esse porco fosse caipira.

    27 de agosto de 2017 @ 16:01


  3. fredericopretti

    Alberto, pode usar a banha de porco como recomendada pelo seu médico que não tem nenhum problema, mas sem excesso.

    27 de agosto de 2017 @ 16:35

Deixe um comentário

 (obrigatório)
 (Não será publicado - obrigatório)



Últimos Posts



Posts mais visitados



Filtrar por temas



Depoimentos

E.H.S – 42 ANOS – Administrador

Sobrepeso, sempre foi um problema com o qual tive que conviver durante toda a minha vida. Até o ano passado, foram feitas várias tentativas para emagrecer, mas todas frustradas. Eu até conseguia emagrecer um pouco, mas continuava com a “minha cabeça de gordo” e, em pouco tempo, engordava novamente. O Dr. Frederico Pretti através do […]*


*Os resultados podem variar de pessoa para pessoa.
Gastronomia - Confira nossas receitas