Tratamento de doenças neurológicas e psiquiátricas com Vit. C, D, B6, B9, B12 e Magnésio

Doença Mental Dr. Frederico Pretti

Muitos estudos vem chamando atenção de que várias doenças degenerativas cerebrais , problemas de saúde mental, comportamentais e emocionais podem estar correlacionadas com a insuficiência de certos nutrientes no sistema nevoso central, como por exemplo a deficiência das vitaminas C, D, B6, B9, B12 e minerais como o magnésio.

Algumas pesquisas demonstraram a correlação dessas vitaminas com esclerose múltipla, doença de Alzheimer, demência senil, depressão, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno bipolar, esquizofrenia, altismo, TDAH, distúrbios de aprendizagem, entre outras.
muitas vezes têm uma causa comum: nutrientes insuficientes no cérebro.

Vários pesquisadores e médicos ortomoleculares vem dizendo já a algum tempo que a correção dessas e outras deficiências nutricionais, assim como a desintoxicação do cérebro de substâncias provenientes da poluição ambiental e hábitos alimentares inadequados, poderiam contribuir para a melhora de pessoas com problemas neurológicos e psiquiátricos.

É muito simples. Pegue uma máquina maravilhosa como uma Ferrari e coloca em seu motor um combustível inadequado, ela simplesmente não sai do lugar. Mas é isso que estamos fazendo com o ser humanos e ainda queremos que ele tenha uma boa saúde física, mental e emocional, é pedir demais – não acha?

O uso de vitaminas, minerais, aminoácidos e ômegas-3 e 6 é muito mais seguro e praticamente isento de efeitos colaterais, quando comprados com os medicamentos farmacêuticos usados para tratamento de vários distúrbios neurológicos e psiquiátricos. O uso adequado de nutrientes, associado a prática de uma atividade física regular pode reduzir em até 30-40% a necessidade de medicamentos, abreviar o tempo de tratamento e em alguns casos até a suspensão dos medicamentos.

Por exemplo o uso da vitamina B3 na dose de 1000mg – 3 x dia, pode ser muito útil no tratamento da depressão leve a moderada, especialmente em alcoólatras. O resultado frequentemente aparece uma semana após o início do tratamento

Outro exemplo marcante é o uso da vitamina D no tratamento da esclerose múltipla. Dr. Cícero Coimbra, médico brasileiro, tem mais de 1000 casos tratados de esclerose múltipla tratada com dose elevada de vitamina D e com excelentes resultados.

É preciso urgentemente para o bem dos clientes que os médicos tradicionais abram seus horizontes científicos e interajam mais e com colegas de outras especialidades, deixando de lado o preconceito existente.


Share
Postado em 12 de fevereiro de 2014, por  
Tags:
Leia os comentários   |   Deixe um comentário


16 comentários Receba os comentários por email.


  1. Vera Lucia Costa Pees

    Estou com 55 anos de idade e há 17 com parkinson. Acredito que minimizei o impacto da doença, porque, embora não seja disciplinada, coe norteei nos princípios da alimentação natural e nutrientes. Ouso afirmar que esse procedimento minimizou o impacto da doença em mim, especialmente no estágio atual Fiz questão desse registro poque tenho um neuro especialista,experiente,hiper atualizado. Cuida de mim desde o ano 2000. Uma vez poa ano visito o “papa” da neuro no Brasil – NUNCA ME PEDIRAM AVALIAÇÃO ENDÓCRINA. Hoje estou com colesterol elevado,. Consegui regularizar deficiência de vitamina D e B. Se me encontrar não vê minha doença com seu típico sinal – o tremor. à disposição,
    Vera Lúcia

    4 de março de 2014 @ 18:12


  2. fredericopretti

    Olá Vera, fico satisfeito de saber que você conseguiu minimizar a doença e que tem excelentes profissionais cuidando de você. As Vit.D, B2, B9 e B12 são muito importantes para você, assim como minerais como o magnésio glicina e naltrexona em dose baixa. Outros procedimentos como a desintoxicação cerebral de metais tóxicos, caso estejam presente em seu organismo também pode ajudar.

    5 de março de 2014 @ 0:18


  3. Rita Nelson

    gostaria de saber se a clínica tem alguma experiencia no tratamento de portadores de Parkinson, e, se tiver, com que resultados. Tenho diagnóstico da doença há 6 anos, e, no meu caso tenho a impressão de estar envolvida uma disfunção mitocondrial. O que eu poderia esperar de ajuda dos tratamentos disponiveis?

    21 de março de 2014 @ 14:58


  4. Raqdeuel Souza Fernandes

    Acredito piamente que a deficiência de vitaminas e sais minerais são fatores importantes no desencadeamento de doenças crônicas.Lamento que alguns profissionais na área da saúde dão pouca importância em receitar suplementos vitamínicos aos seus pacientes.

    21 de março de 2014 @ 17:37


  5. fredericopretti

    Magnésio é um muito nutriente que desempenha várias funções no sistema nevoso central. Mas, quando você quer que ele tenha preferência pelo cérebro é melhor utilizá-lo na forma de magnésio glicinato, que tem em qualquer farmácia com o nome de Magnen B6 – 1 comprimido após o desjejum e jantar.

    3 de abril de 2015 @ 8:58


  6. fredericopretti

    Olá Magda, quanto tempo, bons tempos – saudade!!! Ligue para Ana Paula, minha secretária, e agende uma consulta sem ônus nenhum para você, assim aproveito e te revejo. Amanhã vou estar falando com ela que você vai ligar e desculpe a demora em lhe responder.

    3 de abril de 2015 @ 10:45


  7. fredericopretti

    Magnésio é um nutriente muito importante para o cérebro. Ele é útil no estresse, tensão, ansiedade, irritabilidade, insônia, depressão, fibromialgia, tensão pré-menstrual, enxaquecas, etc. Mas o magnésio na forma de glicinato de magnésio tem uma certa predileção pelo sistema nervoso central e na minha experiência ele seria melhor do que o cloreto de magnésio para o que você quer. Ele tem em qualquer farmácia com o nome de Magnen B6, e pode ser usado 1 comprimido após o desjejum e jantar.

    3 de abril de 2015 @ 16:49


  8. fredericopretti

    O Magnésio é um excelente nutriente para o cérebro, coração, estresse, músculos, articulações, caimbras e para a produção de energia nas células.

    1 de maio de 2015 @ 1:02


  9. fredericopretti

    Olá Magda, quanto tempo. Nunca me esqueço de você e dos tempos bons que passamos em setiba com nossos amigos. Quanto ao câncer de mama, não tem problema algum você usar essa vitamina. Mas não acredito ela vá resolver a depressão. Para esse problema tem produtos melhores. Eu posso lhe ajudar, me ligue, conversamos um pouco para que eu possa saber mais alguns detalhes e lhe fazer alguma sugestão do que tomar – 3284-7474. Não deixe de ligar será um prazer lhe atender.

    1 de maio de 2015 @ 2:26


  10. fredericopretti

    visite um blog sobre altismo chamado santadecasafazmilagres. É um blog sério e sempre tem muitas informações sobre os alimentos que excitam o cérebro, mas vou lhe dar aqui algumas dessas informações – o que evitar: todo os alimentos industrializados que contenham conservantes, cor, sabor e aroma artificiais, açúcar, doces e adoçantes dietéticos que contenham aspartame, qualquer tempero que contenha ajinomoto ou glutamado monossódico, excecesso de café e refrigerantes, alimentos que sejam fermentados ou contenham leveduras. Mas tem muitas outras coisas que excitam o cérebro. Estimule ele a fazer exercício especialmente dentro d`água, andar a cavalo, etc. Espero que tenha lhe ajudado um pouco, a alimentação pode sim fazer a diferença. Você pode procurar pela Leticia uma das nutricionistas que trabalha na clínica para lhe ajudar mais – 3284-7474

    1 de maio de 2015 @ 2:50


  11. fredericopretti

    Temos sim e podemos lhe ajudar.

    1 de maio de 2015 @ 3:22


  12. Vivian

    Gostaria de saber que tipos de vitaminas fazem a diferença no tratamento de espectro autista de alto desenvolvimento?

    22 de fevereiro de 2016 @ 23:23


  13. fredericopretti

    Olá Vivian, desculpe a demora em lhe responder, é que estivemos fora do ar, mas agora estamos de volta. A resposta para a sua pergunta é complexa. A criança com autismo tem uma alteração na flora bacteriana e permeabilidade do seu intestino, que interfere tanto na absorção dos nutrientes, como de substâncias que não deveriam passar pela barreira intestinal. Ele precisa sim fazer uso de lactobacilos e nutrientes, como a metilcobalamina, que é essencial para o seu funcionamento cerebral. Mas, não sou um especialista no assunto, e lhe recomendo visitar e seguir um blog sério sobre autismo: http://santadecasafazmilagre.blogspot.com.br/

    15 de maio de 2016 @ 13:51


  14. maria

    èra bom que as pessoas tirassem proveito destas informações

    24 de novembro de 2016 @ 17:24


  15. Guilherme

    fredericopretti, Boa tarde! Tenho TOC desde criança e nunca conseguí eliminar os sintomas até hoje (estou hoje com 27 anos). Fui criado em um ambiente complicado, onde havia muita pressão, tensão, pessimismo, nenhum contato com atividades físicas e muito menos com a natureza. Quando eu era adolescente as coisas pioraram (mais ainda por conta do ambiente familiar) e além do TOC que já existia, desenvolví a Ansiedade generalizada, e pouco depois a Distimia… todos eu tenho até hoje. Tomei uma porrada de antidepressivos por vários anos e que também não surtiram efeito algum. Há pouco tempo comecei a ler e assistir vídeos na internet á respeito do assunto…principalmente com relação a intoxicações alimentares e estilo de vida. Posso reconhecer que mesmo me alimentando todos os dias…é evidente que me faltam minerais e vitaminas essenciais como os citados no texto e que na realidade eu nunca consumi adequadamente. Após esta leitura e de outras similares não me faltam dúvidas sobre este assunto. Favor me enviar um email, pois necessito de instrução á respeito do assunto e á respeito do problema que abordei nesta mensagem. Muito obrigado!

    22 de agosto de 2017 @ 15:59


  16. fredericopretti

    Acredito que uma alimentação mais saudável, atividade física e a suplementação de nutrientes, possam contribuir para a melhora da ansiedade e da depressão, mas não tenho experiência quanto ao TOC. A investigação da intoxicação causada por metais tóxicos provenientes da alimentação, agrotóxicos e poluentes ambientais, podem ser feita através do Mineralograma feito a partir do sangue.

    27 de agosto de 2017 @ 16:13

Deixe um comentário

 (obrigatório)
 (Não será publicado - obrigatório)



Últimos Posts



Posts mais visitados



Filtrar por temas



Depoimentos

A.P.A.F – 36 anos – Engenheira

Vinha lutando contra a obesidade há mais de 20 anos. Fiz vários tratamentos com nutricionistas e endocrinologistas, mas finalmente encontrei a Clínica Dr. Frederico Pretti. Após uma longa consulta com o Dr. Frederico Pretti, fiquei extremamente otimista com a possibilidade de uma perda de peso mais rápida e saudável, sem o uso de medicamentos inibidores de […]*


*Os resultados podem variar de pessoa para pessoa.
Gastronomia - Confira nossas receitas